Emeb_painel/ maio 3, 2020/ Blog, EUA/ 0 comments

O Havaí é o estado mais jovem e mais isolado dos Estados Unidos, localizado quase no coração do Pacífico (veja no mapa ao lado).

Além das praias famosas, possui também impressionante diversidade, com muitas áreas selvagens. É lar de um dos vulcões mais ativos, berço do surfe moderno, da dança “hula” e da Cozinha Regional Havaiana. Ah! Barack Obama nasceu na ilha.

Para chegar lá saindo do Brasil, não há voo direto. Uma das opções de conexão é em Los Angeles e de lá até o Havaí são cerca de 7h de voo.

O arquipélago tem 6 seis principais ilhas e cenários espetaculares: Oahu, Maui,  Ilha Grande (ou Ilha do Havaí), Kauai, Lanai e Molokai.

Nós queríamos saber a experiência de quem já visitou a ilha e convidamos a Pri Lima para compartilhar conosco. Abaixo, ela conta sobre sua viagem de 5 dias pela ilha de Oahu, dá várias dicas e conta em detalhes no vídeo.

No final, você vai querer pegar o primeiro avião e partir para o Havaí! ♥

– Por que e quando escolheu ir para a ilha?

Por ser um dos lugares que mais tinha vontade de visitar, decidi comprar a passagem com 9 meses de antecedência (01/Dez/2017) em uma promoção quando morava ainda em Sydney, Austrália. Paguei na passagem (ida-volta) AUD 493, que pra época seria em torno de R$1.220,00. Lembrando que para essa viagem eu levei apenas uma mala de mão com 7kg e uma bolsa. Arrasei! Haha

– Onde ficou hospedada?

A hospedagem eu decidi lá pra Maio de 2018 (quatro meses antes da viagem) com uma amiga minha que se aventurou comigo. Como a nossa ideia era fazer uma viagem barata, decidimos ficar num hostel (Waikiki Beachside Hostel) que custou para cada uma (as 5 noites de hospedagem) em torno de R$ 850,00

– Dia 1 (03/Set/2018)

Chegada ao aeroporto de Honolulu às 6h. Sabe aqueles filmes ou desenhos da Disney em que as pessoas estão com colar havaiano e camisas florais super sorridentes e receptivas? Pois então, desde o aeroporto você vê e sente esse acolhimento do povo havaiano.

De lá, peguei um Uber até o hostel. Como ainda era cedo pra fazer check-in, nos trocamos (já estava mais de 35 graus!) e fomos em um restaurante conhecido nos EUA chamado Denny’s para tomar café da manhã reforçado.

Após o café, fomos caminhando até um dos pontos mais conhecidos de Honolulu: Diamond Head, também chamado em português como Cratera Cabeça de Diamante. Um dos pontos mais altos da ilha para poder ver Honolulu e algumas praias da cidade, como Waikiki Beach. Durante a trilha nesse parque, tem muita escada pra subir também, assim como um túnel para atravessar (a pé, claro) que tem de ser atravessado com as pessoas meio encurvadas de tão pequeno. Mas super tranquilo e vale muito a pena depois que se atravessa! Todo a trilha deve ter durado (ida e volta) umas 4 horas.

DICA: fazer xixi antes de começar o hiking! hahaha

Para ir até lá, passamos por alguns lugares como Kahala, Waialae e Kilauea Park (onde fica o Diamond Head). De lá, fomos para Waikiki Beach ver o pôr-do-sol que, diga-se de passagem, foi um dos mais lindos que já vi.

Diamond Head (do arquivo pessoal)
Pôr-do-sol na praia de Waikiki (do arquivo pessoal)

– Dia 2 (04/Set/2018)

Como não havíamos alugado carro, descobrimos que tem como atravessar a ilha de Oahu e visitar vários pontos importantes da ilha por ônibus de linha mesmo. Então, por US$ 5,50 o passe diário (na época custaria uns R$22), utilizamos esse meio de transporte para visitarmos todos os lugares.

DICA 1: levar dólar em espécie e em notas não tão altas para poder pagar a passagem, pois os motoristas não gostam de pegar notas acima de US$ 20 para dar troco… hahaha

DICA 2: descobrimos no meio da viagem que há um app/website chamado TURO em que é possível alugar carro de moradores locais e custa muito mais barato. Por exemplo, teria como alugar carro por US$ 14 por dia.

Neste dia, acordamos e fomos para Pearl Harbor (USS Arizona Memorial) e Battleship Missouri Memorial logo pela manhã. Como eram lugares afastados do hostel, e demoraria pra chegar por ônibus, preferimos ir pela manhã.

Battleship Missouri Memorial

Saindo de lá, fomos comer em uma hamburgueria famosinha do Hawaii chamada Teddy’s Bigger Burger. Depois fomos para o Waikele Premium Outlet (minha amiga queria muito fazer umas comprinhas… eu não comprei nada em outlet nessa viagem – MILAGRE!).

Depois do outlet, fomos para Kailua visitar uma das praias mais incríveis de beleza e pôr-do-sol coloridinho: Lanikai Beach. Ficamos lá até escurecer e voltamos pro hostel em Waikiki.

Pôr-do-sol em Lanikai Beach (do arquivo pessoal)

– Dia 3 (05/Set/2018)

Madrugamos! Hahaha Como queríamos muito ver o nascer do sol na ilha também (afinal, a ilha é pequena e você consegue ver tanto o nascer de um lado quanto o pôr-do-sol do outro lado da ilha), acordamos às 4h para poder ver o nascer do sol entre 5:30 e 6h em Hanauma Bay – Sunrise Gam.

Nesta baía, considerada preservação natural na ilha Oahu, permite-se um número máximo de pessoas nela. Por isso, chegar cedo vale a pena pois você pode desfrutar da ilha por mais tempo (apesar de ser pequena). Para quem chega depois das 8h (não foi meu caso), precisa-se assistir um vídeo sobre a preservação natural de Oahu que explica os motivos de não permitirem muitas pessoas dentro de Hanauma Bay. Quando você sai dessa baía, não se permite voltar para ela – então importante saber quanto tempo ficar lá.

Hanauma Bay – Sunrise Gam (do arquivo pessoal)

Além da paisagem ser incrível, em Hanauma Bay há um quiosque com vendas de máscaras de mergulho (até com a possibilidade de se colocar grau nas lentes, para quem usa óculos), pois há muitos peixes lindos nadando junto com os banhistas. Super vale a pena e não era tão caro.

Saindo de Hanauma Bay, fomos para outras praias e pontos de observação da costa: Lanai Lookout (Lava Tube), Sandy’s Beach, Cockroach Beach, e Waimanalo.

– Dia 4 (06/Set/2018)

Visitamos várias praias e locais bacanas: Pali Lookout, Kahana Bay e o Parque da Praia Kahana Bay, Laie, Kaihalulu em Kanela Bay (Kuilima Cove e Turtle Bay), Waimea Bay, Pipeline (Ehukai) e Shark’s Cove.

Mas o lugar mais incrível do dia (se não da viagem), foi Laniakela Beach (Haleiwa).

Shark’s Cove (do arquivo pessoal)
Laniakela Beach (Haleiwa) (do arquivo pessoal)

Nesta praia foi possível não só ver como nadar junto com tartarugas marinhas gigantes e muito fofinhas! Tinha uma organização como se fosse o nosso “Projeto Tamar” nesta praia para que nenhum humano machucasse as tartarugas (principalmente quando elas nadavam sentido areia da praia para tomar sol). Muito bacana ver a preservação que eles fazem dos animais e natureza mesmo em meio a tantos turistas!

Neste dia, fomos no Giovanni’s Kahuku Shrimp – o trailer mais famoso da ilha. Lanches e outras comidinhas maravilhosas! Super recomendo 🙂

Giovanni’s Kahuku Shrimp

– Dia 5 (07/Set/2018)

Último dia de passeio pela ilha. Começamos o dia visitando um jardim botânico localizado em Kaneohe chamado Ho’Omaluhia Botanical Garden. Um jardim incrível com muito verde e, de tão grande, não dá tempo de ver muito se não está de carro.

Ho’Omaluhia Botanical Garden (do arquivo pessoal)

De lá, fomos para Kailua – que já havíamos visitado anteriormente – porem para fazer um novo e mais difícil hiking para chegar até West Pill Box (infelizmente não tenho foto da vista do local). A vista que se tem de lá é muito maravilhosa também, porem você vê outros pontos da ilha que não foi possível ver do Diamond Head (trilha do primeiro dia).

Depois fomos para outras praias, como Makaha Beach e Lanikai Beach (que já havíamos visitado). Saindo de lá, fomos ver o ultimo pôr-do-sol em Waikiki Beach e depois jantar no centro de Honolulu/Waikiki. Este centro é bastante movimentado (não lembrando o Hawaii de natureza e praias), mas foi onde comemos Poke Bowl Havaiano, Açaí, nos deliciamos com o cheesecake da Cheesecake Factory e comprar os souvenirs para família e alguns amigos.

– Dia 6 (08/Set/2018)

Madrugar de novo para pegar o voo de volta a Sydney das 8:30am e nos despedirmos deste lugar mágico!!! Com certeza quero voltar e visitar as demais ilhas de Hawaii!!!!

DICAS FINAIS: levar protetor solar com fator de proteção alto (pois lá é muito quente, chegando a quase 40 graus nas madrugadas), tênis para fazer as trilhas, chinelos, roupas leves e confortáveis, mochila pequena pra levar suas coisas durante o dia, dinheiro (US$ – dólar americano) em espécie (pois não só nos ônibus, mas em alguns lugares para comer não aceitam cartão de credito), garrafinha de água TODOS OS DIAS para hidratação e, se possível, alugar carro para não ter que madrugar tanto como eu tive de fazer! Hahaha

Nós estamos mais apaixonados pelo Havaí e queremos muito conhecer, e também que vocês conheçam e estamos aqui para assessorar você em todo o processo, em todas as dúvidas.

Pra finalizar, a Pri foi maravilhosa e gravou um vídeo contando com detalhes a experiência. Vale cada minuto, assista, salve e anote as dicas! Muito obrigada, Pri!

Nos vemos pelo mundo! ♥

Share this Post

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>
*
*